Lágrimas de Diamante


Cristina Leal
——————-

Olhando agora minhas mãos vazias
Observo o que perdi
Fecho os olhos pra não ver
Mas meus sentimentos tão presentes
Me fazem chorar…
Lamento o que poderia ter sido
E imploro para que
O corpo adormeça logo e que
O amanhã traga paz ao meu coração.

—————————————————————————
# Nesta noite a Menina Zumbi descobriu
# Que ainda sabia chorar…
# A pele de seu rosto estava muito quente e vermelha
# E as lágrimas que escorriam e arranhavam sua face,
# Eram lágrimas de diamante…
# Ela tentou em vão contê-las,
# Machucou seus dedos, mas não pode pará-las
# Os pequenos diamantes que caiam
# Dos olhos da Menina,
# Ao tocarem a água transformavam-se
# Em milhares de cores acinzentadas…
# Ela escondeu o rosto em suas mãos
# E chorou mais…
# E tanto…

——————————————————————————————————–
# Melhor ler ouvindo Jacqueline DuPré interpretando
# O 1º Movimento do Concerto para Cello de Edgar Elgar…

A Menina Zumbi e Suas Asas de Canções…

Cristina Leal
—————–

Com a pena e papel
Expressou seus sentimentos
Harmonizando o que sentia
Uma canção criou

A doce melodia
Que ecoava pelos cantos
Por entre as grades encontrou fuga
E finalmente se espalhou

Com ela ganhou asas que não tinha
E quanto mais alto, mas plena ficou
Sentindo as carícias da brisa
Ela girou, dançou… girou

Sua alma, tão repleta de desejos
Viu-se livre enfim,
A direção então já não importava
Era um momento só pra sentir

Observou terras, mares, pessoas…
Voava e sorria e, voava e sabia que
Teria que percorrer o caminho de volta e
Por entre as grades do jardim da gaiola entrar

No início não queria voltar, mas
Deu-se conta de que agora tinha asas
E que era só querer
Ela podia voar

Fez a volta relutante e a melodia terminou
Silenciosamente entrou em seu mundo
E suas asas guardou,
Uma certeza agora tinha, era só compor

Desde então, a cada dia
Uma nova canção criou
E dessa forma teve a chave
Para os mundos das melodias que cantou

—————————————————————————
# Em outra noite no jardim da gaiola,
# A Menina Zumbi tentou sentir o caminho em
# Que o Menino dos Olhos de Diamante voava,
# Porque ele podia voar,
# Percorreu todo o espaço em sua canção
# Até saber que ele finalmente pousara…
# Ele tinha 7 estrelas coloridas e ela asas,
# Percebeu então, que a distância já não lhe causava dor.
# Sabia o poder do que sentia e agora tinha
# As asas que o sentimento lhe dera,
# Então fez mais uma canção e cantou…

—————————————————————————————————————–
# Melhor ler ao som da Moonlight Sonata, de Beethoven…
# O 3º Movimento em especial!
# Se não tiver a Sonata, use o link abaixo:
# http://www.4shared.com/audio/9N6j-isp/Beethoven_-_Moonlight_Sonata__.htm

A Força das Palavras…

Cristina Leal
—————–

Onde tocar sem as mãos
E beijar sem os lábios
Transformam existir em viver
E o cantar em magia
Pudesse então
Infinitamente ouvir…
Infinitamente girar de tal forma
Que o odor da melodia
E a força das palavras
Curassem o que machucava
Antes mesmo de existir
Antes mesmo de sonhar…

—————————————————–

# E nesta noite, pela primeira vez em
# Anos-noite, a Menina Zumbi
# Foi ao jardim da gaiola e não se
# Virou para o lado do mar,
# Ao invés disso, voltou seus olhos
# Na direção sudeste tentando
# Ver se o brilho do olhar do
# Menino dos Olhos de Diamantes
# Ainda cintilava e, para sua surpresa,
# Pode vê-lo pois apesar do enorme brilho
# Da constelação de sete estrelas coloridas
# Que ela havia lhe dado, os olhos dele
# Brilhavam muito mais!
# E então… nesta noite ela dormiu…

A Dança das Borboletas

Cristina Leal
—————–

Na ânsia de estar perto e no perigo de perder-se,
Na cumplicidade do encontro entre olhares e na luz que esse encontro reluz,
Na pele delicada como o toque de um pincel
E nos traços finos que preenchem de cor cada poro dessa pele…

Não precisa estar no tempo
Nem precisa estar no vento
Assim… como dançam as borboletas!

————————————————————————————————
# Juntei as sete estrelas e as cores que lhe dei
# Fiz de tudo uma constelação repleta de cor pra você!

# Continua assim a História do
# Menino com Olhos de Diamante e a Menina Zumbi…

———————————————————————————
# ” – Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa.
# Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente
# responsável por aquilo que cativas.”

Todas as Cores da Saudade…

Cristina Leal
—————–

Faço da saudade
Tema  de uma fantasia
Inesperada e contínua,
E quanto mais recuo
Mais próxima a ti me encontro.
Procuro o complemento
Perdendo-me em meio a gritos,
E acalmo o coração
No tormento da suave canção.

—————————————————————
# Sete estrelas eu lhe dei em um outro escrito,
# Dou-lhe agora todas as cores…
# Cores do novo dia que acaba de despertar!

Canto para o Cantador


Cristina Leal
——————

Canto por teu canto
Canto para que me escutes
Canto pelo choro de um lamento
Grito pela lágrima que chove
Choro o lamento do teu canto
Canto tua lágrima que grita
Canto pra que escutes meu lamento
Canto pra que meu cantador cante.

————————————————————
# “Não direi o que fazer, nem o que falar…”
# Mas gostaria de ouvir seu canto!

# E choveu…

O Silêncio dos Gestos

Cristina Leal
——————

Nas vozes que gritam, mais voz que temor
No medo que assombra, mais eco que voz

O eco dos sonhos grita calado:
“A palavra nem sempre sabe mostrar”

Precisa do silêncio e precisa do gesto
É o gesto silencioso que aprende a falar

Precisa do toque e precisa dos lábios
É o silêncio falado aprendendo a tocar

E toca bem dentro e mistura-se ao sangue
Todo ar que assim eu possa guardar

Gesticula o grito no silêncio do eco
Buscando no hoje o que o futuro trará

Que venha então com dimensões de universo
Que venha assim repleto de mar

É o renascimento da cor que a aurora anuncia
E todo o calor em que eu possa me banhar.

———————————————————
# “Nas estrelas do universo,
# Sete novas criei pra você…
# Agora… são suas!”