O Menino Robô

Tim Burton
———————————————————————–

“…Senhor e senhora Silva levavam uma vida sossegada.
Vida de gente normal, feliz e bem casada.
Um dia tiveram uma notícia que encheu o marido de contentamento:
A mulher esperava um filho,
E ele ia ser pai do rebento!
Mas algo deu errado naquele mar de felicidade.
A criança era… um robô!
Não parecia gente de verdade.
Um bebê nem quente nem fofo, que estranho!
A pele: uma fria e fina chapa de estanho.
Da cabeça lhe saiam antenas e fios.
E ele ficava largado, sempre com olhos parados,
Nem morto nem animado.

Quando até a tomada um longo fio elétrico se estedia,
Este era o único momento do dia
Em que ele ficava cheio de energia.

O senhor Silva não conteve os berros:
“O doutor não cometeu um grave erro?
Nem sangue nem carne tem o menino,
mas é uma simples liga de alumínio!”

O doutor, gentil, lhe respondeu:
“O que vou lhe dizer
Pode parecer extravagante
Mas o senhor não é o pai desse garoto mutante.
Veja bem, a questão não é simples
e requer investigação profunda,
mas achamos que o pai dele
É um forno micro-ondas.”

Agora a vida dos Silva
Tornou-se um fardo pesado.
A senhora odiava seu marido,
e ele já não se via mais casado.
Não perdoou a esposa por aquela
ligação mesquinha:
A união carnal
Com um aparelho de cozinha.

Apesar de tudo, o menino cresceu
E se tornou um robô jovem.

Mas muitas vezes o confundem
Com a lata de lixo da garagem…”

————————-
# E assim é que é…

Invictus!

William Ernest Henley
——————————

De dentro da noite que me cobre,
Negra como a cova, de ponta a ponta,
Eu agradeço a quaisquer deuses que sejam,
Pela minha alma inconquistável.

Na cruel garra da situação,
Não estremeci, nem gritei em voz alta.
Sob a pancada do acaso,
Minha cabeça está ensanguentada, mas não curvada.

Além deste lugar de ira e lágrimas
Avulta-se apenas o Horror das sombras.
E apesar da ameaça dos anos,
Encontra-me, e me encontrará destemido.

Não importa quão estreito o portal,
Quão carregada de punições a lista,
Sou o mestre do meu destino:
Sou o capitão da minha alma.

—————————————————-
# E como à muito tempo desejava,
# Neste dia a Menina Zumbi
# Caminhou sozinha até o mar,
# Sentiu medo por estar
# Fora do jardim da gaiola,
# Mas seu pés a levaram mesmo assim…
# Enquanto se maravilhava
# Com a breve liberdade, pensou
# No Menino dos Olhos de Diamante e
# Desejou poder compartilhar com ele
# Toda a coragem que sentia…

# Finalizado aquele momento,
# Recitou em seu coração
# O poema Invictus de William Henley
# Repetindo muitas vezes:

# “Não importa quão estreito o portal,
# Quão carregada de punições a lista,
# Sou o mestre do meu destino:
# Sou o capitão da minha alma.”

# Voltou então ao seu jardim
# Sentindo-se orgulhosa de sua coragem!

——————————————————————————–
Leia ao som da música Shy, Sonata Arctica!
“Make sure that you can’t see me, hoping you will see me…

# Ao Grande Mestre com carinho…

Glória numa flor…

Acordei com o perfume de uma das orquídias e flores dão sempre um ar de renascimento… coisas de começar de novo e tal!

—————————
Glória numa flor

A luz que brilhava tão intensamente
Foi agora arrancada dos meus olhos,
E embora nada possa devolver os momentos
De esplendor na relva, de glória numa flor,
Não sofreremos,
Encontraremos força no que ficou para trás.

W. Wordsworth
————————

Homenagem a Dona Glória, uma grande mulher de quem ouvi as mais belas histórias e que infelizmente não tive a honra de conhecer pessoalmente!