Nascente

 

Beto Guedes
——————

Clareia manhã
O sol vai esconder a clara estrela
Ardente, pérola do céu refletindo teus olhos
A luz do dia a contemplar seu corpo
Sedento, louco de prazer e desejos
Ardentes…

—————————————————————————
# Os últimos dias tinham sido difíceis e
# Fizeram com que a Menina se visse perdida e só,
# Mas hoje, quando já comecava a contar quantas
# Vezes tinha visto o sol se pôr apenas nesse dia,
# Sentiu que o Menino dos Olhos de Diamante voltara,
# Ele que havia feito uma grande viagem
# Enquanto ela sonhava, estava agora bem próximo…
# Procurou os sinais e os encontrou em algumas
# Poucas palavras repletas de reticências……….
# Ficou agitada, mas feliz, e
# Seu coração sentiu um calor intenso…
# Às vezes ela não tinha certeza
# Se estava sonhando o que sonhava…
# E como em todas as noites que não conseguia
# Dormir, sentou-se no jardim da gaiola
# E esperou o céu clarear e colorir o dia…
# Seus sorrisos encheram o jardim de felicidade
# E ela sorriu mais ainda..
# Foi quando percebeu que sentia sono…
# Ela deitou, dormiu e sonhou mais um sonho.

————————————————————————
# Nascente é uma belíssima música de Beto Guedes
# Simples e completa…

Anúncios

Invictus!

William Ernest Henley
——————————

De dentro da noite que me cobre,
Negra como a cova, de ponta a ponta,
Eu agradeço a quaisquer deuses que sejam,
Pela minha alma inconquistável.

Na cruel garra da situação,
Não estremeci, nem gritei em voz alta.
Sob a pancada do acaso,
Minha cabeça está ensanguentada, mas não curvada.

Além deste lugar de ira e lágrimas
Avulta-se apenas o Horror das sombras.
E apesar da ameaça dos anos,
Encontra-me, e me encontrará destemido.

Não importa quão estreito o portal,
Quão carregada de punições a lista,
Sou o mestre do meu destino:
Sou o capitão da minha alma.

—————————————————-
# E como à muito tempo desejava,
# Neste dia a Menina Zumbi
# Caminhou sozinha até o mar,
# Sentiu medo por estar
# Fora do jardim da gaiola,
# Mas seu pés a levaram mesmo assim…
# Enquanto se maravilhava
# Com a breve liberdade, pensou
# No Menino dos Olhos de Diamante e
# Desejou poder compartilhar com ele
# Toda a coragem que sentia…

# Finalizado aquele momento,
# Recitou em seu coração
# O poema Invictus de William Henley
# Repetindo muitas vezes:

# “Não importa quão estreito o portal,
# Quão carregada de punições a lista,
# Sou o mestre do meu destino:
# Sou o capitão da minha alma.”

# Voltou então ao seu jardim
# Sentindo-se orgulhosa de sua coragem!

——————————————————————————–
Leia ao som da música Shy, Sonata Arctica!
“Make sure that you can’t see me, hoping you will see me…

# Ao Grande Mestre com carinho…

Chuva no Jardim da Gaiola

Cristina Leal
——————————–

Fosse eu água
Como poderia flutuar?

Mas penso no prazer
que deve “ser água”

E aguar…

—————————————————————————-
# Mais uma noite no jardim da gaiola…
# O céu estava nublado e na direção do mar
# Podia-se ver a chuva chegando lentamente,
# O pouco que a Menina Zumbi podia ver do
# Céu era azul acinzentado e os primeiros pingos de
# Chuva já começavam a cair…
# Ela, como adorava água,
# Aproximou-se um pouco mais da grade,
# E pode então sentir a pele se molhar
# Enquanto apreciava o brilho dos
# Relâmpagos que vinham da direção contrária…
# Sentiu a falta do Menino dos Olhos de Diamante
# E desejou de todo o coração que ele estivesse ali…
# A chuva fina continuo até o amanhecer…

———————————————————————————————

# “How I wish, how I wish you were here
# We’re just two lost souls
# Swimming in a fish bowl,
# Year after year,
# Running over the same old ground.
# What have we found?
# The same old fears
# Wish you were here”

———————————————————————————————-
Melhor ler ouvindo Wish You Are Here, Pink Floyd…

Calor do Vento…

Cristina Leal
——————————–

Ah, infinito canto
Que ouço enquanto
Danço…

Ah, infinita dança
Que só pára quando
O canto acaba

Mas o canto
Não pára nunca…

Continuo então a girar…

—————————————————————————-
# De repente a visão da Menina Zumbi se abriu,
# Podia olhar agora em todas as direções…
# Percebeu o jardim da gaiola girar ao redor dela e
# Neste mundo novo sentiu ao seu lado o
# Menino dos Olhos de Diamante…
# Quanto mais ventava,
# Mais o sentia e então,
# Ela sentiu calor e enrubesceu…

—————————————————————————
Ler, de preferência ao som de Tristania, Year of the Rat

Lágrimas de Diamante


Cristina Leal
——————-

Olhando agora minhas mãos vazias
Observo o que perdi
Fecho os olhos pra não ver
Mas meus sentimentos tão presentes
Me fazem chorar…
Lamento o que poderia ter sido
E imploro para que
O corpo adormeça logo e que
O amanhã traga paz ao meu coração.

—————————————————————————
# Nesta noite a Menina Zumbi descobriu
# Que ainda sabia chorar…
# A pele de seu rosto estava muito quente e vermelha
# E as lágrimas que escorriam e arranhavam sua face,
# Eram lágrimas de diamante…
# Ela tentou em vão contê-las,
# Machucou seus dedos, mas não pode pará-las
# Os pequenos diamantes que caiam
# Dos olhos da Menina,
# Ao tocarem a água transformavam-se
# Em milhares de cores acinzentadas…
# Ela escondeu o rosto em suas mãos
# E chorou mais…
# E tanto…

——————————————————————————————————–
# Melhor ler ouvindo Jacqueline DuPré interpretando
# O 1º Movimento do Concerto para Cello de Edgar Elgar…

A Menina Zumbi e Suas Asas de Canções…

Cristina Leal
—————–

Com a pena e papel
Expressou seus sentimentos
Harmonizando o que sentia
Uma canção criou

A doce melodia
Que ecoava pelos cantos
Por entre as grades encontrou fuga
E finalmente se espalhou

Com ela ganhou asas que não tinha
E quanto mais alto, mas plena ficou
Sentindo as carícias da brisa
Ela girou, dançou… girou

Sua alma, tão repleta de desejos
Viu-se livre enfim,
A direção então já não importava
Era um momento só pra sentir

Observou terras, mares, pessoas…
Voava e sorria e, voava e sabia que
Teria que percorrer o caminho de volta e
Por entre as grades do jardim da gaiola entrar

No início não queria voltar, mas
Deu-se conta de que agora tinha asas
E que era só querer
Ela podia voar

Fez a volta relutante e a melodia terminou
Silenciosamente entrou em seu mundo
E suas asas guardou,
Uma certeza agora tinha, era só compor

Desde então, a cada dia
Uma nova canção criou
E dessa forma teve a chave
Para os mundos das melodias que cantou

—————————————————————————
# Em outra noite no jardim da gaiola,
# A Menina Zumbi tentou sentir o caminho em
# Que o Menino dos Olhos de Diamante voava,
# Porque ele podia voar,
# Percorreu todo o espaço em sua canção
# Até saber que ele finalmente pousara…
# Ele tinha 7 estrelas coloridas e ela asas,
# Percebeu então, que a distância já não lhe causava dor.
# Sabia o poder do que sentia e agora tinha
# As asas que o sentimento lhe dera,
# Então fez mais uma canção e cantou…

—————————————————————————————————————–
# Melhor ler ao som da Moonlight Sonata, de Beethoven…
# O 3º Movimento em especial!
# Se não tiver a Sonata, use o link abaixo:
# http://www.4shared.com/audio/9N6j-isp/Beethoven_-_Moonlight_Sonata__.htm

A Força das Palavras…

Cristina Leal
—————–

Onde tocar sem as mãos
E beijar sem os lábios
Transformam existir em viver
E o cantar em magia
Pudesse então
Infinitamente ouvir…
Infinitamente girar de tal forma
Que o odor da melodia
E a força das palavras
Curassem o que machucava
Antes mesmo de existir
Antes mesmo de sonhar…

—————————————————–

# E nesta noite, pela primeira vez em
# Anos-noite, a Menina Zumbi
# Foi ao jardim da gaiola e não se
# Virou para o lado do mar,
# Ao invés disso, voltou seus olhos
# Na direção sudeste tentando
# Ver se o brilho do olhar do
# Menino dos Olhos de Diamantes
# Ainda cintilava e, para sua surpresa,
# Pode vê-lo pois apesar do enorme brilho
# Da constelação de sete estrelas coloridas
# Que ela havia lhe dado, os olhos dele
# Brilhavam muito mais!
# E então… nesta noite ela dormiu…