Invictus!

William Ernest Henley
——————————

De dentro da noite que me cobre,
Negra como a cova, de ponta a ponta,
Eu agradeço a quaisquer deuses que sejam,
Pela minha alma inconquistável.

Na cruel garra da situação,
Não estremeci, nem gritei em voz alta.
Sob a pancada do acaso,
Minha cabeça está ensanguentada, mas não curvada.

Além deste lugar de ira e lágrimas
Avulta-se apenas o Horror das sombras.
E apesar da ameaça dos anos,
Encontra-me, e me encontrará destemido.

Não importa quão estreito o portal,
Quão carregada de punições a lista,
Sou o mestre do meu destino:
Sou o capitão da minha alma.

—————————————————-
# E como à muito tempo desejava,
# Neste dia a Menina Zumbi
# Caminhou sozinha até o mar,
# Sentiu medo por estar
# Fora do jardim da gaiola,
# Mas seu pés a levaram mesmo assim…
# Enquanto se maravilhava
# Com a breve liberdade, pensou
# No Menino dos Olhos de Diamante e
# Desejou poder compartilhar com ele
# Toda a coragem que sentia…

# Finalizado aquele momento,
# Recitou em seu coração
# O poema Invictus de William Henley
# Repetindo muitas vezes:

# “Não importa quão estreito o portal,
# Quão carregada de punições a lista,
# Sou o mestre do meu destino:
# Sou o capitão da minha alma.”

# Voltou então ao seu jardim
# Sentindo-se orgulhosa de sua coragem!

——————————————————————————–
Leia ao som da música Shy, Sonata Arctica!
“Make sure that you can’t see me, hoping you will see me…

# Ao Grande Mestre com carinho…

Anúncios

Soneto

De Luiz de Camões
—————————

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

———————————————————
# E o Menino dos Olhos de Diamantes
# Continuava distante… mas a distância
# O fazia cada dia mais presente…
# A Menina Zumbi podia quase sentir-lhe
# Os movimentos, pois o cheiro dele
# A envolvia em círculos
# E a fazia girar…

# E ainda continua a Lenda do
# Menino dos Olhos de Diamante
# E a Menina Zumbi…

Angústia… O tempo será uma ilusão, mas o passado é irreparável

Álvaro de Campos
————————-

Na noite terrível, substância natural de todas as noites,
Na noite de insónia, substância natural de todas as minhas noites, Relembro,
velando em modorra incômoda,
Relembro o que fiz e o que podia ter feito na vida.
Relembro, e uma angústia
Espalha-se por mim todo como um frio do corpo ou um medo.
O irreparável do meu passado — esse é que é o cadáver!
Todos os outros cadáveres pode ser que sejam ilusão.
Todos os mortos pode ser que sejam vivos noutra parte.
Todos os meus próprios momentos passados pode ser que existam algures,
Na ilusão do espaço e do tempo,
Na falsidade do decorrer.

Mas o que eu não fui, o que eu não fiz, o que nem sequer sonhei;
O que só agora vejo que deveria ter feito,
O que só agora claramente vejo que deveria ter sido —
Isso é que é morto para além de todos os Deuses,
Isso — e foi afinal o melhor de mim — é que nem os Deuses fazem viver. . .

Se em certa altura
Tivesse voltado para a esquerda em vez de para a direita;
Se em certo momento
Tivesse dito sim em vez de não, ou não em vez de sim;
Se em certa conversa
Tivesse tido as frases que só agora, no meio-sono, elaboro —
Se tudo isso tivesse sido assim,
Seria outro hoje, e talvez o universo inteiro
Seria insensivelmente levado a ser outro também.

Mas não virei para o lado irreparavelmente perdido,
Não virei nem pensei em virar, e só agora o percebo;
Mas não disse não ou não disse sim, e só agora vejo o que não disse;
Mas as frases que faltou dizer nesse momento surgem-me todas,
Claras, inevitáveis, naturais,
A conversa fechada concludentemente,
A matéria toda resolvida. . .
Mas só agora o que nunca foi, nem será para trás, me dói.

O que falhei deveras não tem esperança nenhuma
Em sistema metafísico nenhum.
Pode ser que para outro mundo eu possa levar o que sonhei.
Mas poderei eu levar para outro mundo o que me esqueci de sonhar?
Esses sim, os sonhos por haver, é que são o cadáver.
Enterro-o no meu coração para sempre, para todo o tempo, para todos os universos.
Nesta noite em que não durmo, e o sossego me cerca
Como uma verdade de que não partilho,
E lá fora o luar, como a esperança que não tenho, é invisível p’ra mim.

—————————————————————————————
# Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa
# (1888-1935)

# Mais sobre Fernando Pessoa neste LINK

———————————————————–
# Releia ao som de Lullaby, Nox Arcana…

Fragmentos…

Cristina Leal
——————————————-

Imagens refletidas
Em espelhos distorcidos
Explodem em fragmentos
Pedaço de uma existência

Fragmentos de reflexos
Misturados à distorção
Refazem imagens já perdidas
Entre passado e futuro

Gritos mudos em
Frases desfeitas
Perdem-se nas marcas
Que o sangue não escorre

——————————————————————
# Enquanto o Menino dos Olhos de Diamante
# Dormia em alguma floresta, choveu…
# Passado e futuro se misturaram
# Na dança do vento…
# A Menina Zumbi
# Se encheu de coragem
# E preparou-se para uma longa jornada
# Solitária e  necessária…

————————————————————-
# “You’ve had your last regrets
# Reached your final depths, deepest pits
# Stepped aside for the world to pass you by
# Chose to leave the fear
# You are stuck in a world of deadlocks
# This time it’s real, this time it’s for real…”

# Deadlocked, Tristania

Calor do Vento…

Cristina Leal
——————————–

Ah, infinito canto
Que ouço enquanto
Danço…

Ah, infinita dança
Que só pára quando
O canto acaba

Mas o canto
Não pára nunca…

Continuo então a girar…

—————————————————————————-
# De repente a visão da Menina Zumbi se abriu,
# Podia olhar agora em todas as direções…
# Percebeu o jardim da gaiola girar ao redor dela e
# Neste mundo novo sentiu ao seu lado o
# Menino dos Olhos de Diamante…
# Quanto mais ventava,
# Mais o sentia e então,
# Ela sentiu calor e enrubesceu…

—————————————————————————
Ler, de preferência ao som de Tristania, Year of the Rat

Sentimento Sozinho

Cristina Leal
—————————–

Cheiro de chuva
Terra molhada
Corpo molhado
Pele é teu cheiro

Cheiro de mato,
De vida, de sonho,
Amor e paixão
Desejo e prazer

Úmida pele
Que cobre meu corpo
Inunda-me e então
Satisfaz minha alma

Deitado entre pernas
Descansa e anuncia
Estiada a chva
É quase dia…

——————————————————–
# A Menina Zumbi tentou
# Desesperadamente voar
# Mas não consegui cantar
# Então mais uma noite ela
# Choveu no jardim da gaiola…

——————————————————————————————–
Melhor ler ao som de Still Loving You, Sonata Arctica

Sete Cidades…


Legião Urbana
——————–

Já me acostumei com a tua voz
Com teu rosto e teu olhar
Me partiram em dois
E procuro agora o que é minha metade

Quando não estás aqui
Sinto falta de mim mesmo
E sinto falta do meu corpo junto ao teu

Meu coração é tão tosco e tão pobre
Não sabe ainda os caminhos do mundo

Quando não estás aqui
Tenho medo de mim mesmo
E sinto falta do teu corpo junto ao meu

Vem depressa pra mim
Que eu não sei esperar
Já fizemos promessas demais
E já me acostumei com a tua voz
Quando estou contigo estou em paz
Quando não estás aqui
Meu espírito se perde, voa longe
————————————————
# …